Cristina Ortiz

Cristina Ortiz

Artista que evoluiu da condição de menina-prodígio à maturidade, Cristina Ortiz "sempre se mostrou determinada a comunicar ao mundo a sua intuição, palette pianística, emoção e sensibilidade“, nos dizeres do jornal vienense ‘Die Presse’. Radicada na Inglaterra há muitos anos, são porém os seus dotes inerentes à sua cultura brasileira - paixão, espontaneidade e flexibilidade rítmica - os que mais fortemente transparecem em suas interpretações.

Solista com as mais famosas orquestras - Berlim, Chicago, Cleveland, New York, Praga, Viena, Londres -, já trabalhou sob a batuta de Ashkenazy, Chailly, Foster, Jansons, Järvi, Kondrashin, Leinsdorf, Masur, Mehta, Previn e Zinman, entre outros. Atua também como camerista, tendo se apresentado ao lado de artistas como Antonio Meneses, Uto Ughi, Emanuel Pahud, Lynn Harrell, ou o Quinteto de Sopro de Praga.

Possuidora de vasto e eclético repertório, quer em concertos ou gravações, mantém seu compromisso com a música brasileira, que é evidente na aclamada ‘prémière’ do “Chôro” de Guarnieri no Carnegie Hall de New York ou nos 5 Concertos de Villa-Lobos, gravados para a Decca. Cristina Ortiz continua a sua procura por raridades musicais, através das obras de Clara Schumann, Mompou, Stenhammar, Schulhoff ou dos brasileiros L. Fernandez e F. Vianna. Sempre mais assíduos tornam-se os workshops e masterclasses, onde ela, num estilo desenvolto, comunica sem reservas toda sua experiência musical a jovens pianistas, mundo a fora. “Ensinar é também aprender!”, declara.

Nos últimos anos acrescentou à sua bagagem musical o papel de solista-regente em Mendelssohn, no Musikverein de Viena, com a Orquestra de Câmara de Praga, e em Mozart, com o Consort of London, em gravação para Collins Classics. Abre, com isso, uma infinita fonte para a sua insaciável sede por repertório, que a leva dos Concertos de Mozart, Haydn ou Mendelssohn às obras de De Falla e Ravel.