Orquesta Jovem do Estado, Cláudio Cruz e Jiyoon Lee

Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Claudio Cruz, regência

Jiyoon Lee, violino

RODRIGO LIMA

Encomenda da Santa Marcelina Cultura – Estreia Mundial

 

ANTONÍN DVORÁK

Concerto para Violino em Lá menor, Op. 53

- Allegro ma non troppo

- Adagio ma non troppo

- Finale: Allegro giocoso ma non troppo

 

GABRIEL FAURÉ

Suíte Pelléas et Mélisande, Op. 80

- Prélude (quasi adagio)

- Fileuse (andantino quasi allegretto)

- Sicilienne (allegro molto moderato)

- Mort de Mélisande (molto adagio)

 

CLAUDE DEBUSSY

Jeaux

Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Referência tanto por seu bem-sucedido plano pedagógico quanto por sua cuidadosa curadoria artística, a Orquestra Jovem do Estado de São Paulo é sinônimo de excelência musical no Brasil. Desde sua reformulação, em 2012, o grupo da Emesp passou a ter uma exigente programação artística aliada a um novo plano pedagógico elaborado pela Santa Marcelina Cultura, o que ocasionou um expressivo salto de qualidade do grupo. A Santa Marcelina Cultura convidou Claudio Cruz em 2012 para assumir a direção musical e a regência principal da Orquestra, que hoje apresenta uma marcante identidade sonora, com uma forte coesão interna que permite a construção de repertórios cada vez mais desafiadores técnica e estilisticamente. Esse resultado é fruto também da abrangência das atividades pedagógicas propostas, que formam e inspiram os jovens instrumentistas. Ciente da importância da vivência internacional para a formação dos jovens músicos, a Orquestra realiza regularmente turnês no exterior. Com atuações elogiadas pelo público e crítica internacional, o grupo já se apresentou em importantes salas de concerto, como o Lincoln Center, em Nova York, o Kennedy Center, em Washington e a Konzerthaus, em Berlim – além de ter participado como orquestra residente do Festival Berlioz, na cidade natal do compositor francês, La Côte-Saint-André, interpretando a Sinfonia Fantástica.

Cláudio Cruz

Iniciou-se na música com seu pai, o luthier João Cruz, Cláudsio Cruz posteriormente recebeu orientações de Erich Lenninger, Maria Vischnia e Olivier Toni. Foi premiado pela APCA e recebeu os prêmios Carlos Gomes, Bravo, Grammy, entre outros. Foi regente titular das sinfônicas de Ribeirão Preto e de Campinas. Em 2017, gravou CDs com a Royal Northern Sinfonia, em New Castle, na Inglaterra, e com o Quarteto Carlos Gomes, com obras de Carlos Gomes, Alexandre Levy e Glauco Velasquez. Gravou o terceiro CD com a Orquestra Jovem do Estado, com obras de Bartók, Kodaly e Flo Meneses, e lançou as edições dos Quartetos de Alberto Nepomuceno no Festival de Campos do Jordão e na Sala São Paulo. Participou do Festival Internacional de Música de Câmara “La Musica”, na Florida, e do Festival Internacional de Música e Câmara da Universidade da Georgia, ambos nos Estados Unidos. Atuou como diretor musical e regente nas montagens das óperas Don Giovanni e La Belle Hélène no Theatro São Pedro. Atualmente é maestro titular da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, regente e diretor musical da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo e primeiro violino do Quarteto de Cordas Carlos Gomes.

Já esteve em Vermelhos quatro vezes, em 2015 formando um trio com Antonio Meneses e Cristian Budu; e, regendo a Orquestra e eventualmente o Coral Jovem do Estado de São Paulo, em 2016 na execução do Concerto para violoncelo sw Schumann com Antonio Meneses, em 2017 na execução da 2ª Sinfonia de Mahler ("Ressureição") e, em 2018, na execução do Concerto para piano e orquestra de Schumann, c om, Cristian Budu, e da Sagração da Primavera, de Stravinsky.  

Jiyoon Lee

Spalla da Staatskapelle de Berlim, Jiyoon Lee é uma jovem artista de reputação internacional crescente, recebendo elogios por suas performances apaixonadas e brilhante virtuosismo, classificada pela BBC Music Magazine como “poderosa, consistente e energética”, e com solos descritos pelo New York Times como “profundamente pessoais, com um som suculento”.

Recentemente recebeu o primeiro prêmio na Competição Internacional Carl Nielsen, somando a conquista aos primeiros lugares na Competição Internacional David Oistrakh (2013) e no prêmio do Festival de Cordas de Windsor (2015). Nascida em 1992, em Seul, iniciou os estudos aos quatro anos de idade. Estudou na Universidade Nacional de Artes da Coreia e na Escola de Música Hanns Eisler, em Berlim, com o violinista Kolja Blacher.

Já se apresentou com orquestras como a Philharmonia de Londres e a Orquestra Nacional da Bélgica, entre outras, além de tocar com o Boulez Ensemble sob a regência de nomes como Antonio Pappano, François-Xavier Roth, Jörg Widmann e Daniel Barenboim.

Parceria internacional: Centro Cultural Coreano do Brasil e Consulado Geral da República da Coreia em São Paulo

 

Centro Cultural Coreano no Brasil
O Centro Cultural Coreano é um instituto governamental diplomático responsável pela difusão da cultura coreana ao redor do mundo. Existem mais de 30 centros culturais espalhados em todos os continentes. O Centro Cultural Coreano no Brasil foi fundado em 2013. Todos os anos, mais de 20 mil visitantes participam das nossas apresentações, eventos, atividades, cursos de língua coreana, culinária coreana, dança coreana (K-POP), Taekwondo, etc. O Centro Cultural Coreano tem a missão de compartilhar o valor da cultura coreana com os brasileiros e melhorar a diversidade cultural e a imagem do país. Além disso, apresenta a arte e cultura no exterior e, com isso, divulga a cultura coreana no Brasil.